Um bate papo sobre a beleza e a arte na modernidade e nos dias atuais

Neste primeiro post tratarei de como a concepção metafísica do belo e as discussões filosóficas no século XVII e XVIII interferem até hoje em nossas visões de arte e beleza na pós-contemporaneidade. Seriamos nós tão pós-modernos assim?
É interessante perceber que foi a partir do século XVII, com o surgimento da ciência sob os moldes da concepção de mundo mecânico e funcional newtoniano, que iniciou a discussão sobre o que seria o belo na arte, reduzido a apenas um intelecto racional capaz de perceber a essência do mundo. Até o século XVI os filósofos procuravam partir de uma afirmação, um axioma, a priori para construir todos seus sistemas filosóficos.

Lara Barusso

Trabalha com arte desde os 18 anos como artista plástica. Versa diferentes áreas de atuação: pintura, design, escrita, estilismo e fotografia. Pinta desde os 5 anos e buscou formação com pintores, como Simone Campos, Eloy Morales, Steve Hutson e em academias em Londres (University of the Arts London) e Florença (The Academy of Art e Florence Art Academy). Atualmente está concluindo o curso de Filosofia (UFPR) e Relações internacionais (UNICURITIBA).