Reflexões sobre Fotografia e a Arte do Retrato

Para muitos artistas e críticos, a beleza se tornou uma ideia desacreditada. Mas, ao meu ver, a beleza mesmo enquanto mentira é uma sensação pertinente. Ela nos faz parar de pensar em nós mesmos e ver que existe um mundo afora como outros indivíduos.

Pensar sobre a beleza me faz refletir sobre a natureza de um retrato e o porquê um retrato enquanto obra de arte é diferente da forma que estamos utilizando a fotografia na atualidade. É, a obra de arte se tornou o ápice da valoração, enquanto o uso da fotografia na modernidade se tornou a banalização da imagem.

Lara Barusso

Trabalha com arte desde os 18 anos como artista plástica. Versa diferentes áreas de atuação: pintura, design, escrita, estilismo e fotografia. Pinta desde os 5 anos e buscou formação com pintores, como Simone Campos, Eloy Morales, Steve Hutson e em academias em Londres (University of the Arts London) e Florença (The Academy of Art e Florence Art Academy). Atualmente está concluindo o curso de Filosofia (UFPR) e Relações internacionais (UNICURITIBA).

Entre Românticos e Realistas: o processo de transição do Romantismo para a Arte Realista no novo regime burguês.

A dupla revolução, revolução francesa e industrial, trouxe uma nova faceta para o papel do artista e a proliferação das artes no século XIX. Como afirma o historiador Erick Hobsbawm, se fossemos resumir com palavras simples a relação do artista e a sociedade entre 1789 a 1848, “poderíamos dizer que a revolução francesa inspirava-o com seu exemplo, que a revolução industrial com seu horror, enquanto a sociedade burguesa, que surgiu de ambas, transformava sua própria experiência e estilos de criação”.

Lara Barusso

Trabalha com arte desde os 18 anos como artista plástica. Versa diferentes áreas de atuação: pintura, design, escrita, estilismo e fotografia. Pinta desde os 5 anos e buscou formação com pintores, como Simone Campos, Eloy Morales, Steve Hutson e em academias em Londres (University of the Arts London) e Florença (The Academy of Art e Florence Art Academy). Atualmente está concluindo o curso de Filosofia (UFPR) e Relações internacionais (UNICURITIBA).

Um bate papo sobre a beleza e a arte na modernidade e nos dias atuais

Neste primeiro post tratarei de como a concepção metafísica do belo e as discussões filosóficas no século XVII e XVIII interferem até hoje em nossas visões de arte e beleza na pós-contemporaneidade. Seriamos nós tão pós-modernos assim?
É interessante perceber que foi a partir do século XVII, com o surgimento da ciência sob os moldes da concepção de mundo mecânico e funcional newtoniano, que iniciou a discussão sobre o que seria o belo na arte, reduzido a apenas um intelecto racional capaz de perceber a essência do mundo. Até o século XVI os filósofos procuravam partir de uma afirmação, um axioma, a priori para construir todos seus sistemas filosóficos.

Lara Barusso

Trabalha com arte desde os 18 anos como artista plástica. Versa diferentes áreas de atuação: pintura, design, escrita, estilismo e fotografia. Pinta desde os 5 anos e buscou formação com pintores, como Simone Campos, Eloy Morales, Steve Hutson e em academias em Londres (University of the Arts London) e Florença (The Academy of Art e Florence Art Academy). Atualmente está concluindo o curso de Filosofia (UFPR) e Relações internacionais (UNICURITIBA).